12 janeiro 2010

Sugar Blues - Sabe o que isso significa?


Caso você ainda não saiba, o açúcar branco é a droga mais perigosa de nossa sociedade. Você, que vive com uma balinha no bolso, está viciado e foi traído e enganado pela cultura de massa.

Não exagero, açúcar refinado mata e pior, é socialmente estimulado desde que somos bebês, onde o sinônimo da comida caseira é um prato cuja base é arroz branco (refinado).

Ainda, sobre o açúcar, há pelo menos 2 livros imperdíveis: "Sugar Blues", de William Dufty e "Sem Açúcar e com Afeto", Sônia Hirsch.


Em ambos, estão disponíveis inúmeras receitas saudáveis e dados impressionantes relacionando o consumo de açúcares refinados com grande parte das doenças "modernas", além da Peste Negra e claro, da diabetes.

No Sugar Blues, Willian Dufty, faz uma pergunta até então impensada "Você já notou que os índios sempre fumaram tabaco sem desenvolver câncer de pulmão, mas quando adicionamos açúcar refinado ao processo de secagem das folhas, o cigarro industrializado tornou-se cancerígeno?"

A informação trocada no meu bate-bola com Sônia acerca da cerveja ser considerada alimento medicinal recomendado até para lactantes (por ser fermentado e à base de trigo, como pão), disponível no post sobre long necks, foi igualmente retirada do Sugar Blues.

As primeiras mudas vieram de caravela importadas da Índia.

Em tempo, sabia que se você for chupar em cana de açúcar a quantidade de açúcar branco e refinado que consome diariamente, passaria horas e horas enfrentando aqueles bambus? O processo de refino estranhamente chamado de beneficiamento, é justamente o que retira todos os sais minerais e vitaminas da cana, potencializando milhares de vezes um único princípio ativo: o que permite adoçar.

Atente que até mostarda industrializada leva açúcar atualmente!

A Comunidade Sugar Blues do Orkut apresenta-se com o seguinte texto que nos leva à reflexão:

Você sabe que algo vicia quando produz:

1-desejo continuado
2-necessidade irresistível
3-dependência física
4-tolerância
5-psicotoxidez
6-psicose na abstinência


Você está com a saúde debilitada, vive gripado e com CORIZA?

Não consegue se livrar da ACNE?

O COLESTEROL não baixa?

Sofre de ENXAQUECA?

Tem INSONIA?

Morre de SEDE deliberadamente?

Sua MENSTRUAÇÂO está irregular, você tem corrimento?

Não consegue descobrir o motivo? Já fez uma infinidade de exames e não chegou a conclusão nenhuma?

Preste atenção na sua alimentação!

Provavelmente, você consome muito açúcar...

Se um dia alguém resolver erigir um monumento em praça pública às boas intenções frustradas do pensamento científico, podia ser uma estátua monumental de um prato cheio de pó branco. Assim homenagearíamos de uma só vez três enganos cientificistas: a FARINHA DE TRIGO REFINADA, o AÇÚCAR BRANCO e a COCAÍNA. Três pós acéticos e quase idênticos, três frutos do pensamento que dominou o último século e meio: o reducionismo científico. Três matadores de gente.

Não é por acaso que os três são tão parecidos. Todos eles são o resultado de um processo de “refino” de uma planta – trigo, cana e coca. Refino! Soa quase como ironia usar essa palavra chique para definir um processo que, em termos mais precisos, deveria chamar-se “linchamento vegetal” ou algo assim. Basicamente se submete a planta a todos os tipos de maus-tratos imagináveis: esmagamento entre dois cilindros de aço, fogo, cortes de navalha, ataques com ácido. Até que tenha-se destruído ou separado toda a planta menos a sua “essência”. No caso do trigo e a da cana, o carboidrato puro, pura energia. No caso da coca, algo bem diferente, mas que parece igual. Não a energia que move as coisas do carboidrato, mas a sensação de energia ilimitada, injetada diretamente nas células do cérebro.

Começou-se a refinar trigo, cana e coca mais ou menos na mesma época, na segunda metade do século 19, com mais intensidade por volta de 1870. No livro (que recomendo muitíssimo) “Em Defesa da Comida”, o jornalista Michael Pollan conta como a tal “cultura ocidental” adorou a novidade. Os cientistas ficaram em êxtase, porque acreditavam que o modo de compreender o universo é dividi-lo em pequenos pedacinhos e estudar um pedacinho de cada vez (esse é o tal reducionismo científico). Nada melhor para eles, então, do que estudar apenas o que importa nas plantas, e não aquele lixo inútil – fibras, minerais, vitaminas e outras sujeiras. Os capitalistas industriais também curtiram de montão. Um pó refinado é super lucrativo, muito fácil de produzir em quantidades imensas, praticamente não estraga, pode ser transportado a longuíssimas distâncias. A indústria de junk food floresceu e sua grana financiou as pesquisas dos cientistas, que, animadíssimos, queriam mais.

Sabe por que esses pós refinados não estragam? Porque praticamente não têm nutrientes. As bactérias e insetos não se interessam pelo que não tem nutriente.

 Os três tem efeito parecido na gente. Eles nos jogam no céu com uma descarga de energia e, minutos depois, nos deixam despencar. Aí a gente quer mais. Como eles foram separados das partes mais duras das plantas – as fibras – nosso corpo os absorve como um ralo, de uma vez só. Seu efeito eletrificante manda sinais para o organismo inteiro, o metabolismo se acelera. Aí o efeito vai embora de repente. E o corpo é pego no contrapé.

Cocaína, farinha e açúcar eram O Bem no final do século 19. Eram conquistas da engenhosidade humana. Eram a prova viva de que a ciência ainda iria conquistar tudo, de que o homem é maior do que a natureza, de que o progresso é inevitável e lindo. Cocaína era “o elixir da vida”. Nas palavras publicadas numa revista do século 19, “um substituto para a comida, para que as pessoas possam eventualmente passar um mês sem comer.” Farinha e açúcar davam margem a fantasias de ficção científica, como a pílula que dispensaria o humano do ato animal e inferior de comer.

O equívoco da cocaína ficou demonstrado mais cedo, já nas primeiras décadas do século 20. De medicamento patenteado pela Bayer, virou “droga”, proibida, enquanto exterminava uma população de viciados. A proibição amplificou seus males, transformando-a de algo que afeta alguns em algo que machuca o planeta inteiro, movendo a indústria do tráfico, que abastece quase todo o crime organizado e o terrorismo do globo.

Levaria muito tempo até que os outros dois comparsas fossem desmascarados. Até os anos 1990, farinha e açúcar ainda eram “O Bem”, enquanto “O Mal” era a gordura, o colesterol. Os médicos recomendavam que se substituisse gorduras por carboidratos e o mundo ocidental se entupiu de farinha e açúcar. Começou ali uma epidemia de diabetes tipo 2, causada pelas pancadas repentinas que farinhas e açúcar dão no nosso organismo. Começou também uma epidemia de obesidade. Sem falar que revelou-se que açúcar e farinha estão envolvidos no complô para expulsar frutas, folhas e legumes dos nossos pratos, o que está exterminando gente com câncer e doenças cardíacas. Como câncer e coração são as maiores causas de morte do mundo urbanizado, chega-se à constatação dolorosa: farinha e açúcar são na verdade muito mais letais do que cocaína. É que cocaína viciou poucos, mas açúcar e farinha viciaram quase todo mundo.

Agora os três pós brancos são “O Mal”. A humanidade está mobilizada para exterminá-los. Há até uma nova dieta vendendo toneladas de livros pela qual corta-se todos os carboidratos da dieta e come-se apenas gordura.

Em 1870, caímos na ilusão de que era possível “refinar” plantas até extrair delas o bem absoluto, apenas para nos convencermos décadas depois de que tínhamos criado o mal absoluto. Mas será que o problema não é essa mania humana de separar as coisas entre “O Bem” e “O Mal” em vez de entender que o mundo é mais complexo que isso e que há bem e mal em cada coisa? Trigo, cana e coca, se mastigados inteiros – integrais – são nutritivos e inofensivos e protegem contra doenças crônicas. Precisamos parar de tentar “refinar” a natureza e entender que ela é melhor integral.

E caso você queira ir ainda mais fundo, recomendo fortemente o blog de Pat Feldman, cujo marido neurologista escreveu livros sobre a CURA DA ENXAQUECA pela mudança alimentar - cortando açúcar e produtos refinados, é claro.

A pesquisa desse casal foi ainda mais longe e mostra muitos casos de cura da forma mais leve de AUTISMO, a Síndrome de Asperger, a partir da exclusão de carboidratos processados.

___________________________
Retirado do blog: Menina do dedo verdo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...