28 março 2011

Eu aprendi

Eu aprendi...
...que ignorar os fatos não os altera;

Eu aprendi...
...que quando você planeja se nivelar com alguém, apenas esta permitindo que essa pessoa continue a magoar você;
p
Eu aprendi...
...que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;

Eu aprendi...
...que ninguém é perfeito até que você se apaixone por essa pessoa;

Eu aprendi...
...que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;

Eu aprendi...
...que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu.

Eu aprendi...
...que quando o ancoradouro se torna amargo a felicidade vai aportar em outro lugar;

Eu aprendi...
...que não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito;

Eu aprendi...
...que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você esta escalando-a;

Eu aprendi...
...que quanto menos tempo tenho, mais coisas consigo fazer.
(Boa noite , Amor )


William Shakespeare

25 março 2011

Medula espinhal processa informações como o cérebro

Processamento distribuído
Pesquisadores canadenses causaram surpresa no mundo científico nesta semana ao anunciarem uma descoberta surpreendente.
Segundo eles, a medula espinhal processa informações exatamente como algumas partes do cérebro.
"Os livros-texto de fisiologia descrevem a medula espinhal como um sistema de distribuição, mas ela é parte do sistema nervoso central e processa informações exatamente como algumas partes do cérebro," afirmou o Dr. Patrick Stroman, da Universidade de Queens.
Mapa da medula
Os cientistas mapearam as funções e o processamento de informações da medula espinhal, o que pode representar um novo caminho para o tratamento das lesões da medula, que hoje condenam os pacientes à paralisia.
A pesquisa do Dr. Stroman é dirigida precisamente para o mapeamento das áreas acima e abaixo de lesões da medula espinhal, a fim de melhor determinar a natureza exata de uma lesão e a possível eficácia de um tratamento.
Quando a pesquisa médica tiver avançado até um ponto onde os médicos forem capazes de fazer uma ponte sobre a lesão, a técnica de mapeamento da medula do Dr. Stroman será o mapa que permitirá localizar com precisão as partes a serem religadas.
A técnica consiste em capturar várias imagens da medula espinhal usando um sistema de ressonância magnética convencional. A captura de imagens é repetida em intervalos de alguns poucos segundos até vários minutos.
Durante os exames, varia-se a temperatura na pele do paciente para que as áreas da medula espinhal que respondem às mudanças de temperatura sejam detectadas na ressonância magnética.
Processamento consciente
Durante a pesquisa, a equipe do Dr. Stroman foi surpreendida ao descobrir que os níveis de atenção impactam o processamento de informações na medula espinhal.
As mudanças no nível de atividade da medula espinhal foram captadas pelo aparelho de ressonância magnética quando os pesquisadores compararam o funcionamento da medula em pessoas que estavam alertas e em pessoas que estavam distraídas por uma tarefa.
"O efeito da atenção é uma das razões pelas quais, quando você está praticando esportes e se machuca, você muitas vezes não toma consciência da lesão até que o jogo acabe e sua atenção e seu foco mudam.
"Nós já sabíamos que o nível de atenção de uma pessoa afeta o processamento da informação no cérebro, mas essa descoberta revela que o nível de atenção tem de ser devidamente controlado nas pesquisas que visam mapear com precisão as funções da medula espinhal," diz o Dr. Stroman.
Efeitos práticos
A pesquisa de mapeamento da medula espinhal tem implicações importantes para pessoas com lesões na medula espinhal que sofrem de Dores Crônicas.
A pesquisa também se aplica a quaisquer condições, incluindo esclerose múltipla, fibromialgia, ou condições congênitas, nas quais a função da medula espinhal é afetada.

21 março 2011

Solução nutricional

O uso de uma solução de fatores nutricionais, composta por aminoácidos, vitaminas, sais minerais e os hormônios tireoideano, glucagon e insulina, foi capaz de reverter a cirrose hepática em ratos. O estudo, desenvolvido na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP, foi publicado na edição de novembro da Brazilian Journal of Medical and Biological Research. A solução de fatores nutricionais é semelhante a usada na alimentação parenteral (por via venosa) em pacientes humanos impedidos de se alimentar por via oral.
Segundo o professor Francisco Javier Hernandez Blazquez, do Departamento Cirurgia da FMVZ e um dos coordenadores do estudo, a idéia agora é desenvolver um projeto experimental para realizar testes clínicos em cães. “Mas é bom ressaltar que, por enquanto, ainda não temos nada definido. O projeto ainda precisa ser aprovado pela comissão de bioética e precisamos de recursos para desenvolver o estudo, entre outras necessidades”, comenta o pesquisador. “Sabemos que é uma técnica que apresentou bons resultados em ratos, porém não sabemos se obteremos os mesmos resultados em cães. Então o problema, neste caso, é dar falsas esperanças aos proprietários dos animais”, ressalta.
Blazquez explica que a cirrose é caracterizada pelo depósito de colágeno entre os vasos sanguíneos e as células hepáticas, impedindo que os nutrientes cheguem até os hepatócitos (células do fígado). “Inicialmente acontece a fibrose, que é o acúmulo de fibras. Depois, a doença vai evoluindo até chegar a cirrose. Quando isso acontece, o quadro é irreversível, não apresenta cura, sendo que, em humanos, a única solução definitiva para o problema é submeter o paciente a um transplante de fígado”, aponta.
Em cães, explica o pesquisador, a cirrose hepática somente é descoberta quando já está em estágio bastante avançado. “Isso significa que quando o médico veterinário detecta a doença, o animal terá pouco tempo de vida”, aponta. De acordo com Blazquez, não se sabe ao certo as causas da cirrose hepática em cães, e isso se deve, em parte, ao fato de a doença ser detectada tardiamente inviabilizando uma investigação mais profunda sobre o que pode tê-la ocasionado. “Alguns tipos de cirrose em cães tem causa definidas, como o acúmulo de cobre, causado por um defeito genético, ou a obstrução dos canais biliares”, explica o pesquisador. Em humanos, a cirrose hepática está associada ao alcoolismo, a hepatites e a algumas doenças.
Bol_2648a
(a) Biópsia do fígado de um rato com cirrose, sendo que as setas indicam depósito de colágeno. (b) O mesmo rato depois do tratamento. (c) Tecido hepático normal
Experimento
Os pesquisadores induziram a cirrose hepática em 45 ratos por meio de um medicamento denominado tioacetamida. A droga foi aplicada 3 vezes por semana, durante 14 semanas. Após esse período, os animais foram avaliados e constatou-se que eles apresentavam cirrose hepática.
O tratamento com a solução de fatores nutricionais foi aplicado duas vezes por dia, durante 10 dias, em 25 ratos. Esses animais receberam a solução por meio de uma injeção na barriga, na dosagem de 40 mililitros por quilo. “Optamos por injetar na barriga porque assim os nutrientes seriam absorvidos pela veia porta, que leva o sangue diretamente para o fígado, impedindo que esses nutrientes fossem dispersados”, explica Blazquez. Outros 20 ratos receberam aplicações de soro fisiológico e 10 foram usados como controle.
Após os 10 dias de tratamento, os animais foram sacrificados e analisados. Os cientistas perceberam que o quadro de cirrose hepática havia sido revertido nos animais que receberam a solução nutricional. Não foram observadas alterações nos ratos com cirrose que não receberam tratamento com a solução de fatores nutricionais.
Nutrição parenteral
A idéia de aplicar a solução de fatores nutricionais para tratamento de cirrose surgiu, de acordo com o professor Blazquez, a partir de uma constatação do médico Osório Miguel Parra, livre docente pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e especialista em cirurgia gastro-intestinal. Parra observou que o fígado de pacientes humanos que recebiam a alimentação parenteral apresentava aumento de tamanho. “Quanto maior a concentração de nutrientes no sangue, maior será o tamanho do fígado”, explica Blazquez.
O pesquisador conta que ele e Parra decidiram realizar um experimento onde aplicaram a solução de fatores nutricionais em ratos saudáveis. O resultado mostrou que o fígado desses animais chegou a dobrar de tamanho após 10 dias de aplicação da solução. “Então pensamos: se o fígado reage desta maneira quando está saudável, o que será que vai acontecer se aplicarmos a solução em um fígado com cirrose?”, explica Blazquez.
Além de Parra e Blazquez, o trabalho contou com a participação dos pós-graduandos da USP Ricardo Romão Guerra, Tiago Aloia, Maurício Trotta e José Luis Avanzo, da professora da FMVZ Maria Lúcia Zaidan Dagli, e de Andrew Bateman, da McGill University, Canadá. A pesquisa contou com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
Fonte da Imagem: Guerra RR; Trotta MR, Parra OM, Avanzo JL, Bateman A, Aloia TPA, Dagli MLZ  and Hernandez-Blazquez FJ. Modulation of extracellular matrix by nutritional hepatotrophic factors in thioacetamide-induced liver cirrhosis in the rat.  BJMBR, 42(11):1027-34, 2009. Apoio Fapesp.
Mais informações: (11) 3091-1374 ou email fjhblazq@usp.br, com o professor Francisco Javier Hernandez Blazquez
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...