28 dezembro 2011

Sensações Indefiníveis - Vídeo


Muita gente já deve ter visto algumas das fotos desta exposição itinerante do canadense Gregory Colbert, “Ashes and Snow“, principalmente as imagens de crianças com elefantes na água, mas é possível que a maioria não tenha visto a estupenda íntegra do filme, de aproximadamente 60min, com bela música e narração (na versão em inglês) de Laurence Fishburne, que segue abaixo. Aclamada como “a exposição de arte de um artista vivo mais visto do mundo, com mais de 10 milhões de visitas até este momento” (Wikipedia), “Ashes and Snow” viaja o mundo como parte do “Nomadic Museum” e já passou por Veneza, Nova York, Tóquio, Los Angeles e Cidade do México. Além do filme de uma hora, a exposição tem dois curtas-metragem, um livro e mais de 50 fotos gigantes que acompanham o museu.
As imagens são de beleza e sensações indefiníveis. Com filmagens e fotos tiradas em cerca de 130 países, como Birmânia, Sri Lanka, Egito, Etiópia, Quênia, Índia, Namíbia e Antártica, Gregory quis expor a relação dos seres humanos e dos animais “de dentro pra fora“, e captou belíssimos momentos envolvendo elefantes, baleias, peixes-boi, ibis sagrados, águias reais, falcões Gyr, rinocerontes, leopardos, cães selvagens africanos, babuínos, gibões, orangotangos, crocodilos de água salgada e vários outros.
Segue o vídeo “Ashes and Snow, The Film” na íntegra:

21 dezembro 2011

FORÇA DA MÍDIA


Seremos produto da mídia?


Em uma experiência fantástica sob a iniciativa do jornal Washington Post, o violinista Joshua Bell, com o seu Stradivarius de 1713 avaliado em 3,5 milhões de dólares, tocou durante 45 minutos na estação do metrô no centro de Washington DC, sendo praticamente ignoradopor cerca de 2.000 pessoas que transitavam de um lado para outro no mesmo ambiente. 
Alguns dias antes Joshua Bell havia tocado Symphony Hall de Boston onde um lugar privilegiado custava mil dólares.
A questão aqui é a seguinte: A música é a melhor possível, o artista é um fenômeno, o instrumento de uma singularidade universal. 
Então, qual é o problema?
Por que somente uma ou duas pessoas pararam para ouvi-lo?
O lugar seria impróprio para tal audição?
As  pessoas estariam com tanta pressa que não poderiam se dar ao luxo de parar para ouvir uma música bem tocada?
O artista estava mal vestido, sujo ou com uma postura agressiva a essa exposição?

Por mais que a gente pare para fazer todo tipo de questionamento, a gente sempre esbarra em um mais forte argumento: Ele é um pobre coitado que não tem chances de projeção futura. Para que eu vou me dar ao trabalho de ouvi-lo?


Mas se esse mesmo homem (desconhecido por nós) estivesse em um carro de som cheio de holofotes e maquinas fotográficas com flash em sua direção no passeio será que nossa atenção seria diferente?
Penso que sim. E a verdade é que a notoriedade, na sua maioria é fabricada.  Nos deixamos enganar pelos comentários e atitudes de terceiros. Se alguém que eu admiro diz que isso é bom, então é porque deve ser bom!

Vamos pensar nisso. OK? 
Pense como anda levando sua vida e como anda avaliando as coisas que vc quer muito ter ou fazer. Pense se ela realmente nasceu de um desejo incontrolável de seu ser ou... não será um mero efeito do meio. Do marketing.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...